Cremerj afirma que Hospital Municipal da Mulher em Cabo Frio continua interditado

Prefeito disse que interdição havia sido retirada, mas o Conselho de Medicina negou

Prefeito disse que interdição havia sido retirada, mas o Conselho de Medicina negou. Foto: Divulgação/Internet
Prefeito disse que interdição havia sido retirada, mas o Conselho de Medicina negou. Foto: Divulgação/Internet

O plenário do Cremerj recebeu, nesta quinta-feira (16), a carta de intenções assinada pela prefeitura de Cabo Frio, após interdição no Hospital Municipal da Mulher, mas afirmou que a unidade continua interditada.

Segundo nota divulgada pelo Cremerj, esse documento não demonstra nenhuma ação imediata nem efetiva para combater o risco de morte iminente na unidade, onde já aconteceram de janeiro a março deste ano, 16 mortes de bebês, de acordo com dados do próprio hospital.

A decisão de interdição da unidade foi reiterada em plenária, na noite desta quinta-feira (16). Por este motivo, os médicos que atuarem no hospital, durante a vigência da interdição, incorrem em infração ética, podendo ser responsabilizados pelo Conselho.

O Cremerj reafirmou que a carta de intenções, enviada pela prefeitura, não é um documento válido e que teve o comprometimento de notificar a unidade, assim como seus gestores, sete vezes antes de interditar o local. Os avisos ocorreram desde outubro de 2018.

As denúncias recebidas pelo CREMERJ serão avaliadas pelo setor de Processo Ético Profissional.