HomeArmação dos Búzios"Ennio, o Maestro", de Giuseppe Tornatore, estreia dia 29 de setembro nas...

“Ennio, o Maestro”, de Giuseppe Tornatore, estreia dia 29 de setembro nas salas do Brasil

O longa de Giuseppe Tornatore chega à cidade de Búzios; Documentário homenageia o mestre Ennio Morricone, que ao longo de sua carreira compôs mais de 500 trilhas sonoras para o cinema e TV

-

“Ennio, o Maestro”, documentário se Giuseppe Tornatore (de “Cinema Paradiso” e “Malena”) sobre a vida e obra do grande maestro Ennio Moricone, estreia nas salas do Brasil no dia 29 de setembro. O filme, que teve grande sucesso na última edição da Festa do Cinema Italiano, chega a 20 cidades do país: Búzios, Campinas, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Londrina, Goiânia, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Vitória, Salvador, Recife, Maceió, Aracaju, Palmas, Niterói, Ribeirão Preto, Santos, entre outras.

Em “Ennio, o Maestro”, Tornatore, grande parceiro do maestro e compositor, reconta a história de Ennio desde a infância até a vida adulta, passando pelos anos de conservatório e, claro, por seus grandes filmes e prêmios, sem esquecer do Oscar: seis indicações e dois prêmios (Um honorário pela carreira em 2007 e outro pela trilha sonora de “Os Oito Odiados”, de Quentin Tarantino, em 2016). Mais que uma aula de cinema, é também uma aula de música, uma lição sobre a genialidade de Morricone, que criava para o cinema como quem desenhava a música em sua mente antes de escrevê-la ou gravá-la.

“Papai pode ser considerado um compositor versátil, que em mais de meio século, escreveu tanto música “absoluta” (ou seja, concebida como um ato criativo livre e não condicionado) quanto música “aplicada” (ou seja, a serviço de outra arte: cinema, teatro, televisão)”, comenta Marco Moricone, filho do Maestro.

Um dos maiores nomes não só da música para o cinema, mas da música contemporânea, Ennio Morricone compôs mais de 500 trilhas sonoras para o cinema e TV. Ousado, sempre fugiu do convencional e sempre propôs partituras e músicas que não fossem óbvias. Como resultado, ajudou a criar obras-primas do cinema como “Três Homens em Conflito”, “A Missão”, “Era Uma Vez na América”, “Os Intocáveis”, “Cinema Paradiso”, “A Balada de Sacco e Vanzetti”, entre outros.

“Ainda hoje é um clichê bastante difundido considerar os dois lados de sua atividade como compositor como separados: por um lado, a grande produção de música “absoluta”, que pertence ao universo das neovanguardas e experiências como a no Grupo de Improvisação Nuova Consonanza (onde ingressou em 1965), que sempre manteve uma forte tensão e caráter modernista; por outro lado, o trabalho ainda mais extenso no campo da música “aplicada”, marcado por colaborações com os mais importantes diretores italianos e internacionais, de Bernardo Bertolucci e Pier Paolo Pasolini aos irmãos Paolo e Vittorio Taviani, de Brian De Palma a Quentin Tarantino, de Roman Polanski a Pedro Almodóvar e, em particular, das parcerias com Sergio Leone, Gillo Pontecorvo e Giuseppe Tornatore”, analisa Marco.

Exibido também no 78º Festival de Veneza, “Ennio, o Maestro” revela o compositor e maestro por meio de uma longa entrevista conduzida por Tornatore, além de depoimentos de realizadores e músicos, incluindo alguns muito conhecidos do grande público como Bernardo Bertolucci, Marco Bellocchio, Dario Argento, Quentin Tarantino, Wong Kar Wai (um dos produtores e distribuidor do filme), Bruce Springsteen, Joan Baez, Lina Wertmüller, John Williams e Hans Zimmer.

A esta longa lista de admiradores e colaboradores, juntam-se fragmentos da vida privada de Morricone, e além de todas as particularidades envolvendo a genialidade criativa do maestro, Marco divide mais uma surpreendente, relacionada a vida em família:

“Na minha casa a gente podia fazer de tudo, a bagunça que fosse. A única coisa que não era permitida era ouvir música, nem mesmo as músicas que meu próprio pai compunha, para não influenciar os outros trabalhos dele. Então eu fui um adolescente que cresceu enquanto os Beatles estavam explodindo e eu só podia ouvir fora de casa. Na época a gente achava que isso não era legal, mas com o tempo a gente foi compreendendo. Meu pai sempre foi muito rigoroso, mas ao mesmo tempo muito carinhoso, e me ensinou muito sobre ética e sobre o respeito ao trabalho sério, duro e constante que ele sempre fez a vida toda”, relembra o filho do maestro.

O documentário conta também com gravações dos espectáculos, excertos dos filmes e imagens inéditas dos arquivos pessoais. Embora seja impossível definir o grande gênio superlativo e revolucionário de Ennio Morricone em duas horas e meia, este belo tributo ao “Il Maestro” consegue revelar parte do mistério por trás de sua extraordinária criatividade.

O filme será distribuído pela Risi Film Brasil, com o apoio da Bonfilm e da 8 ½ Festa do Cinema Italiano.

- Advertisment -

Colunas

Mais lidas

Percurso passa pelo Vale das Pitangueiras, Mirante das Conchas e Morro do Vigia. Foto: Reprodução/ Internet

‘Dia Mundial de Mares Limpos’ acontece neste sábado na Praia do...

0
Neste sábado (30), será realizado o “Dia Mundial de Mares Limpos” na Praia do Peró, em Cabo Frio. A ação vai unir trilheiros, mergulhadores,...
%d blogueiros gostam disto: