Início Cabo Frio Ministério Público cobra explicações sobre caos no Canil de Cabo Frio

Ministério Público cobra explicações sobre caos no Canil de Cabo Frio

Membro de comissão da OAB entrou com denúncia na Promotoria de Justiça

-

O Ministério Público Estadual por meio da 1ª Promotoria de Tutela Coletiva de Cabo Frio pediu informações à Procuradoria-Geral do município, no prazo de cinco dias, sobre as denúncias de abandono do Canil Municipal, que fica na Fazenda Campos Novos, no Segundo Distrito, e a situação de maus tratos dos animais sob os cuidados da Prefeitura. O prazo conta a partir da última quarta-feira, dia 6, e vai até a próxima segunda-feira, dia 11. A informação foi publicada no site da Folha dos Lagos.

A cobrança do MP-RJ ocorre depois que circularam nas redes sociais as imagens feitas por integrantes da nova administração do espaço, que se encontra em precárias condições de manutenção. Nos vídeos, é possível ver animais com sinais de desnutrição e feridas pelo corpo. Na inspeção inicial feita pela equipe que acabou de assumir também foram encontradas carcaças de bichos mortos e até mesmo a cauda de um gato. Um verdadeiro cenário de horror.

A advogada Michelli Tito, que faz parte da Comissão de Proteção e Defesa dos Animais da circunscrição de Cabo Frio da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), já havia protocolado uma denúncia contra a antiga gestão municipal junto à Promotoria, no último dia 14 de dezembro, pedindo a apuração das responsabilidades. Ela comenta que a situação no Canil ficou insustentável no último mês do ano passado, quando foi possível notar o grande índice de mortalidade de animais em relação ao ano anterior.

De acordo com a advogada, havia uma funcionária encarregada de fazer a contagem dos animais e, apesar de ter havido um surto de cinomose [doença infectocontagiosa que afeta cães] no Canil em 2020, o fato não justifica a grande mortalidade no local.

– Um dia cheguei no canil e o mato estava na cintura, fora o número de animais cada vez menor. Estima-se que no final de 2019, havia em torno de 400 animais. Inclusive já pedi ao promotor para verificar se o número está correto, fazendo a solicitação da licitação para compra de ração, quando tem que dar a estimativa de quantos animais existem e quantos quilos são necessários para compra. Em dezembro de 2020, nos deparamos com apenas 107 animais. Ou seja, esses animais morreram por omissão, negligencia e falta de cuidado – conclui Michelli Tito, afirmando que desde 2019, a OAB vai até o local para averiguar as suas condições.

(*) Matéria publicada originalmente na Folha dos Lagos.

Rate this post
- Advertisment -

Mais lidas

Rate this post
%d blogueiros gostam disto: