fbpx
HomeCabo FrioDebates educativos sobre PCD’s, em Cabo Frio, marcam atividades da programação anual...

Debates educativos sobre PCD’s, em Cabo Frio, marcam atividades da programação anual da Prefeitura

Ações discutiram temas como capacitismo, bullying, violência contra a mulher, inclusão entre outros

-

A palestra “Trabalho e Capacitismo” realizada nesta quinta (28), no auditório da Prefeitura de Cabo Frio, encerrou a programação anual do governo municipal para marcar o “Dia Nacional da Luta da Pessoa com Deficiência”, instituído em 21 de setembro. Os debates foram conduzidos pela pedagoga Verônica Legentil, pessoa com deficiência, especialista em Diversidade e Inclusão, e ex-subsecretária de Cuidados Especiais da Casa Civil, do Governo do Estado do Rio de Janeiro.

A programação foi realizada durante todo o mês de setembro, numa realização da Superintendência de Políticas Públicas para Pessoa com Deficiência (PCD), vinculada à Secretaria de Assistência Social. Também foram discutidos temas como bullying, violência contra a mulher, inclusão.

Durante a apresentação, a palestrante abordou a ausência de diversos dados, a exemplo da defasagem na contagem da população com deficiência no Brasil e o alto índice da taxa de analfabetismo; e a consequente ausência de políticas públicas para os PCD’s, que gera impacto no mercado de trabalho.

“Todos os índices são maiores no que se refere à população com deficiência do que na população não PCD. Além disso, a gente também se depara com a falta de reconhecimento ainda que exerçamos as mesmas funções que uma pessoa não PCD. É no dia a dia que combatemos o capacitismo, que é o preconceito social contra o PCD”, afirmou Verônica Legentil.

Além disso, ela abordou ainda os diversos tipos de capacitismo: institucional, quando empresas a partir de 100 funcionários só contratam para cumprir lei de cotas; recreativo, que é o uso de piadas pejorativas sobre a deficiência de um PDC; linguístico, uso de expressões equivocadas que aludem a algum tipo de deficiência; passivo, quando uma pessoa não PCD interrompe uma tarefa de um PCD, ainda que não tenha tido essa intenção; médico, quando relaciona as PCDs às doenças.

“Não queremos viver de favores ou benesses e, sim, com nossas competências, ajudar a construir uma sociedade mais digna, justa, que respeita e valoriza a diversidade”, corroborou a superintendente de Políticas Públicas para Pessoa com Deficiência de Cabo Frio, Idalina Araújo.

Ao longo do mês, a programação contou ainda com uma vivência com a participação de secretários municipais em cadeira de rodas, muletas, bengala e cordão para deficiência oculta para experenciarem as barreiras atitudinais, físicas e sociais as quais a pessoa com deficiência experiência no cotidiano

Os estudantes municipais também participaram das atividades e receberam a palestra “Bullying e capacitismo”, que foi realizada para alunos do Centro Educacional Marli Capp, em Tamoios.

Outro tema muito recorrente nas discussões que envolvem a pessoa com deficiência se refere à violência contra a mulher deficiente, cuja palestra da programação foi ministrada por Nilzete Oliveira, secretária-executiva do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência (Comud-PCD).

Entre no canal do Fonte certa no Telegram e fique por dentro de tudo que acontece na Região dos Lagos! Basta acessar o canal: https://t.me/noticiasregiaodoslagos
- Advertisment -

Colunas

Mais lidas

Prefeitura de Cabo Frio nega contratação de irmão de Janja para...

0
Após visita dos deputados Lindberg Farias e Benedita da Silva, informações eram passadas que Luiz Cláudio da Silva assumiria a Secretaria de Assistência Social