HomeAraruamaSeminário na Alerj destaca importância do jornalismo nos 100 anos do rádio...

Seminário na Alerj destaca importância do jornalismo nos 100 anos do rádio brasileiro

Organizado pela Subdiretoria Geral de Cultura da Alerj, com apoio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, no auditório do Alerjão

-

O segundo dia do seminário ‘100 anos de Rádio nos 200 anos da Independência’, realizado na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), destacou a importância do Jornalismo como eixo temático com a mesa ‘Testemunha Ocular da História – o Radiojornalismo nos 100 anos de Rádio no Brasil’. Organizado pela Subdiretoria Geral de Cultura da Alerj, com apoio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, o evento foi encerrado nesta sexta-feira (dia 16), no auditório do Alerjão, à Rua da Ajuda 5 – 21º andar, Centro, Rio de Janeiro.

O professor e pesquisador da Universidade Federal Fluminense (UFF) João Batista de Abreu, disse que o radiojornalismo começou com Roquette Pinto, que tinha uma linha telefônica, lia os principais jornais, selecionava as notícias e fazia comentários. Depois veio a “Gilette Press”, em que os radialistas recortavam e liam as principais notícias no ar. Em agosto de 1941, estreava pela Rádio Nacional o Repórter Esso, que trazia diariamente 13 notas, bastante objetivas, a maioria internacionais. Os repórteres eram contratados por uma agência de publicidade americana. A rádio operou até 31 de dezembro de 1968, quando passava a vigorar o Ato Institucional número 5, que instalou a censura na imprensa brasileira.

“O rádio sofreu muito com a censura prévia depois do AI5, que só foi suspenso no final de 78”, disse Abreu. Segundo ele, o veto às notícias chegava por telefone pelo departamento de censura da Polícia Federal.

Para Abreu, que é autor do livro “Batalha Sonora, o rádio na segunda guerra”, entre outros, o rádio mantém a sua popularidade. “É um veículo que atinge muita gente sem recurso, exerce um papel muito importante como difusor de informação, democrático e como um meio de afeto, preenchendo a solidão de trabalhadores que atuam à noite ou sozinhos, como vigias, taxistas, caminhoneiros e domésticas”, destaca.

O jornalista, que também é conselheiro da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), lembrou que a primeira experiência com rádio ocorreu em Pernambuco, e só três anos depois no Rio de Janeiro, então capital federal do país, com Roquette Pinto, ocorreu a primeira transmissão oficial. A empresa americana Westing House emprestou 80 aparelhos de rádio e três antenas pata transmitir a ópera ‘O Guarani’ e o discurso de Epitácio Pessoa. A transmissão chegou até São Paulo.

O jornalista Anderson Baltar, âncora e coordenador de Jornalismo da Rádio Arquibancada, falou sobre a força do rádio. “O rádio não morreu, se reinventa com a popularização da Internet. Ao contrário, está aumentando, como apontam as pesquisas, talvez como efeito da pandemia, que também fez a demanda por jornalismo aumentar”. Segundo Balthar, o rádio tem o componente de credibilidade. “Há uma grande quantidade de radialistas que se transformaram em políticos. Na TV não tem tanto”, destacou.

Baltar, que atua também como pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina, disse que, apesar da Internet, o rádio não perdeu o seu imediatismo. “A mobilidade do rádio só ampliou com o celular e com a Internet. O rádio apostou na segmentação. Um bom aplicativo de rádio permite baixar rádio para tudo, de astrologia, de urologia e até de motel”, comentou.

Segundo ele, é importante diferenciar o rádio na web – emissoras tradicionais que mantêm sites na Internet – da radioweb – que funcionam exclusivamente por meio digital. Outro aspecto destacado pelo pesquisador é a desterriteriolização do rádio web, que permite ter acesso a conteúdo de diferentes lugares ao mesmo tempo graças à internet. Balthar também falou sobre a Rádio Arquibancada, que criou há 11 anos para promover a cobertura de Carnaval e do mundo do samba. No início a transmissão era por meio da Internet 3G, menos popularizada e acessível pelo celular. “Com o tempo, a chegada da tecnologia 4G, as transmissões chegaram a mais pessoas e também se estenderam ao vídeo, sempre priorizando a qualidade do som e a informação”.

Lena Benzecry, pesquisadora de rádio, apresentou os palestrantes destacando o papel do rádio como informação e poder. “O jornalismo adentra o rádio como instrumento de informação e poder. Foi o primeiro a se consolidar como meio de comunicação de massa. E se fortalece a partir de seu uso político”, disse, fazendo referências à discursos de Hitler e Mussolini mostrados no especial pelos 75 anos da rádio BBC de Londres em março de 2013. “Era uma guerra de propaganda onde a verdade era a maior vítima. No Brasil, Getúlio soube usar o rádio, mas sem o discurso de ódio”, pontuou. Segundo ela, hoje a comunicação saiu do modelo um-todos, como era nos primórdios do rádio, para o modelo todos-todos, propiciado pela Internet.

Produtor do evento, Luiz Guimarães de Castro mediou a mesa, destacando a importância de conhecer a história do rádio para valorizar esse meio de comunicação.

Mais sobre o evento

O seminário ‘100 anos de Rádio nos 200 anos da Independência’ foi aberto na última quarta-feira com uma mesa sobre Dramaturgia, indo até esta sexta-feira (16), terceiro e último dia do evento, traz o eixo temático Música, abordando ‘Nossas Canções Cruzando o Espaço Azul – A Identidade Nacional pela Música nos 100 anos de Rádio no Brasil’.

Palestraram Adelzon Alves, radialista e produtor musical com mais de 50 anos de experiência no rádio brasileiro; Osmar Frazão Ator, radialista, pesquisador e contador de histórias sobre a música popular brasileira e seus personagens, com atuação em diversas emissoras de rádio; e Rubem Confete, jornalista, compositor, radialista e griot, porta-voz da cultura afrobrasileira no rádio. A mediadora da mesa será Lena Benzecry, jornalista, designer e autora do livro ‘O samba do rádio – do Rio para o Brasil’ (Editora Appris, 2017).

O evento será encerrado com um pocket show com Mariana Baltar (voz); Marcílio Lopes (bandolim); Jayme Vignoli (cavaquinho) e Josimar Carneiro (violão).

- Advertisment -

Colunas

Mais lidas

Percurso passa pelo Vale das Pitangueiras, Mirante das Conchas e Morro do Vigia. Foto: Reprodução/ Internet

‘Dia Mundial de Mares Limpos’ acontece neste sábado na Praia do...

0
Neste sábado (30), será realizado o “Dia Mundial de Mares Limpos” na Praia do Peró, em Cabo Frio. A ação vai unir trilheiros, mergulhadores,...
%d blogueiros gostam disto: