Opinião | Comte Bittencourt conta sua história de amor com Nova Friburgo

Cidade serrana completa 204 nesta segunda-feira (16); político deu uma entrevista para uma rádio da cidade

Trago hoje para vocês que me acompanham, um pouco da minha história de amor com a cidade de Nova Friburgo. A trajetória da minha família se confunde com a evolução da cidade e tenho muito orgulho disso. Acompanhe a minha entrevista.

Rádio – A história do senhor com Nova Friburgo é de raízes fortes. Seu pai, Miguel Bittencourt, foi o idealizador, grande batalhador e fundador da Faculdade de Odontologia (Fonf), cujo Diretório Acadêmico, tem o seu nome. Seu avô Comte Bittencourt dá nome a uma das principais avenidas do centro da cidade. Com toda esta forte tradição em nossa região, o que diria nesta data de aniversário de Friburgo para o nosso cidadão? O que podemos e devemos melhorar não só em Friburgo, mas em todo nosso estado?

Comte –  Um orgulho enorme de ter minhas raízes nessa cidade que completa 204 anos de existência. Berço do meu pai, cidade que teve uma participação efetiva de meu avô, na sua vida, especialmente, na organização dos movimentos sindicais das indústrias têxteis da cidade. Tenho por Friburgo, uma paixão. Local de destino permanentemente meu e de minha mulher, a Magda. Todos os meus mandatos públicos no estado do Rio de Janeiro sempre estiveram à disposição da cidade. Buscando ajudá-la, a reconquistar o seu protagonismo de capital do Centro – Norte serrano do Estado do Rio de Janeiro. Sendo uma das cidades mais industrializadas do nosso estado.

Rádio – Como deputado estadual, o senhor foi o responsável por aprovar uma lei exclusiva para a redução do ICMS do polo metalmecânico local. Friburgo tem a maior concentração de indústrias desse setor no país e havia um problema tributário sério no passado que impedia o polo de ser competitivo dentro do próprio estado. O senhor mudou esta realidade gerando emprego e renda para a cidade.

Comte –   É uma satisfação enorme ter sido autor dessa iniciativa e seguramente ela foi capaz de vitalizar todo esse setor industrial estratégico para o Rio de Janeiro, gerando assim, muitos empregos na região. Essa iniciativa surgiu em 2003 e permitiu que a indústria de metal mecânica de dobradiças do país como um dos maiores polos do Brasil. Não foi uma lei de incentivo tributário e sim uma lei de redução da base de ICMS, fazendo com que todo esse parque industrial pudesse competir com outros estados. Assim, revitalizamos esse setor, gerando muitos empregos para o estado. Além de impulsionar uma indústria que é estratégica.

Rádio – O senhor foi coautor da LEI Nº 7954 DE 14 DE MAIO DE 2018 que criou o Polo Cervejeiro de Nova Friburgo. Esta lei vem sendo muito importante para a economia de nossa região e do estado. Como devemos avançar ainda mais?

Comte –   Uma das novas tendências da cidade, em função da qualidade de sua água e da capacidade empreendedora da sua população, Friburgo se transformou num dos mais importantes polos cervejeiros do estado do Rio de Janeiro e do Brasil. São mais de 80 rótulos de cerveja produzidos na cidade. E isso fortalece toda uma cadeia econômica. Além de impulsionar mais ainda a indústria de turismo que ficou abandonada durante muitos anos na cidade. Friburgo precisa voltar a ser um dos principais pontos turísticos do estado do Rio. Tem potencialidade e atrativos. Seguramente esse polo cervejeiro vai ajudar muito, não só na questão de geração de empregos diretos, mas no fortalecimento de turismo na região de Nova Friburgo.

Rádio – Como parlamentar, o senhor sempre lutou em defesa da educação pública. O Senhor foi o deputado que mais legislou sobre educação, no estado do Rio. Atualmente, o senhor é o vice Presidente nacional da Executiva do Cidadania. O senhor poderia citar mais leis que fez para o nosso estado e o que o senhor urgente para ser feito em nosso estado?

Comte –   A educação sempre foi o centro dos meus mandatos. Introduzir o país na sociedade do conhecimento, tendo como base de tudo uma escola pública, que seja capaz de dar acesso às  ferramentas necessárias para que o cidadão brasileiro ingresse nesse novo mundo, com novas linguagens e novas tecnologias. Educação foi a base principal de todos os mandatos que exerci.

Rádio – O senhor foi secretário estadual de Educação, durante a pandemia. Um período muito difícil, mas a sua gestão que conseguiu, por exemplo, implantar o ensino híbrido. Como o senhor está analisando a educação e as escolas do interior?

Comte –   A quarentena escolar estabelecida pela “Covid 19” descortinou o flagelo da educação pública com relação ao acesso aos bens tecnológicos. Isso é uma vergonha, o país ter um fundo para educação criado em 2000 e o Governo Federal vem usando estes recursos constantemente para fazer superávit fiscal. Sem aplicar devidamente no seu objetivo constitucional que foi democratizar o acesso à tecnologia. Como secretário de Educação, tive o desafio de conectar as escolas, melhorar o ambiente para garantir esta conexão, o link patrocinado e por último, embarcar minimamente com conteúdo de revisão na plataforma da SEEDUC, o aplicativo “Aplique-se”. É inadmissível que algumas escolas tenham todos os recursos necessários e outras não. A educação tem que ser acessível e de qualidade para todos. Esta é minha principal bandeira.

Share on facebook
Facebook
Share on telegram
Telegram
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email